Clientes

Veja o que nossos cliente dizem sobre nós

Estamos orgulhosos que mais e mais pessoas estejam escolhendo Komatsu. Tão orgulhosos que gostamos de chamar nossos clientes de família. Todo o desenvolvimento, aprimoramento e novos métodos para aumentar a rentabilidade e segurança são coisas que gostaríamos de compartilhar com nossos clientes – isso é, afinal de contas, um assunto familiar.

Quando você escolhe Komatsu Forest, você está em boas mãos. Nenhum outro fabricante de máquinas florestais tem uma oferta de maquinas florestais e acessórios tão impressionantes. Mais ninguém oferece a mesma proximidade, acessibilidade e força de recursos.
Esta capacidade combinada é, por sua vez, uma parte finamente sintonizada e apaixonada da família global da Komatsu Forest. Nosso objetivo é tornar seu dia de trabalho o mais seguro, livre de problemas e rentável possível, não importa onde no mundo você opera.

Marius Heggedal, HF Anlegg og Skog, Noruega

"Parte do futuro"

Assista ao vídeo com Marius Heggedal, HF Anlegg og Skog, Björkelangen, Noruega.
Peter Bystedt

Peter Bystedt, Härnö Skog AB, Suécia

"Quanto maior melhor"

O empreiteiro Peter Bystedt acredita que harvesters grandes são harvesters lucrativos. É por isso que ele comprou um novo Komatsu 951. “A experiência me ensinou que eles são melhores em termos tanto de resultados, como de ambiente de trabalho”, ele diz. Peter Bystedt fundou a empresa Härnö Skog em 2002. Hoje ele dirige a empresa junto com sua esposa Elisabeth. A empresa trabalha com corte final e desbaste, assim como com preparação do solo, e está baseada em Härnösand, na costa leste do norte da Suécia. Su experiência com os harvesters 941mostrou que grandes harvesters são rentáveis para o corte final. “Eu percebi que é mais rentável para nós ter um harvester com um pouco de folga na capacidade. Isso nos permite manter a competitividade, mesmo com média de troncos relativamente menor do que costumamos trabalhar”, continua ele. Agora a Härnö Skog tem um Komatsu 951 e Peter diz que os jovens operadores de hoje priorizam o conforto. “O ambiente da cabine foi importante quando decidi por uma máquina. Ergonomia, conforto, boa visibilidade – em todas as direções – são decisivos para ser capaz de desempenhar bem em um harvester”, disse Peter.
Sarl AUBERTIN Frères, France

Sarl AUBERTIN Frères, França

“Vimos um claro aumento na produtividade”

A família Aubertin tem uma longa tradição no trabalho florestal. Tudo começou quando o bisavô de Nicolas e Mickael trabalhou com arreste, usando bois. Nicolas e Mickael passaram alguns anos trabalhando com o pai, depois fundaram a empresa Sarl AUBERTIN Frères em 2004.  Em 2014 eles compraram um Komatsu 931.1 com cabeçote C144. “ Nós vimos um claro aumento na produtividade com o cabeçote C144. Eu também gosto da boa precisão de medição e o projeto simples. Quando trata-se do 931.1, a estabilidade e o giro completo e nivelamento da cabine proporcionam conforto de trabalho ótimo e permitem ao operador lidar com situações difíceis, especialmente em terreno em declive”, diz Mickael Aubertin. Em 2015 eles adquiriram um novo Komatsu 855.1, equipado com a suspensão de cabine Comfort Ride. “Eu realmente aprecio a tração do Komatsu 855.1, a boa visibilidade, o baixo nível de ruído, e o conforto da cabine, assim como a grua fácil de operar”, diz Mickael.
Ståle Reistad

Ståle Reistad, Noruega

"Tudo vai muito mais rápido agora"

Quando Ståle Reistad decidiu trocar o seu Komatsu 911.4 com cinco anos de idade, e simplesmente queria um novo modelo. Mas ele necessitou de um tempo nos controle para adaptar-se a todas as melhorias do 911 novo. Desde 2010, Ståle Reistad tinha colhido cerca de 20-24 mil metros cúbicos a cada ano com o 911.4 e um cabeçote 350. Divido aproximadamente meio a meio entre desbaste e corte final. Com o seu novo 911 com um cabeçote C93, ele necessitou de um par de semanas para quebrar velhos hábitos e para todas as novas funções ficarem no lugar. “Tudo vai muito mais rápido agora. A velocidade da máquina é muito melhor, e o motor não trabalha quando as coisa ficam difíceis. Naturalmente, o novo sistema hidráulico beneficia todas as funções, “ diz ele.

Tabeel Trading, Australia

Tabeel Trading, Australia

"Os técnicos são heróis desconhecidos"

De acordo com Steve Witherow, o diretor-gerente da Tabeel Trading, a compra de onze máquinas Komatsu Forest giraram em torno de dois pontos-chaves, confiabilidade e confiança. Steven e seu pai John, recentemente falecido, criaram o negócio madeireiro sustentável e bem sucedido em 1933. Steve diz que o  apoio e suporte da Komatsu Forest são  serviços destacados. “Se você tiver um problema com um determinado item do equipamento, eles trabalham no problema e chegam a uma solução. Eles não são apenas sobre venda de máquinas que deixam você com uma pilha de problemas. São um grupo unido de cima abaixo, por isso, se você tiver um problema eles recebem a mensagem rapidamente. Sim, a Komatsu Forest Australia tem sido boa de lidar com ela.”. Steve também quer mencionar os técnicos da Komatsu Forest. “Eles são os heróis desconhecidos e não recebem muita menção, Essa máquinas são tão avançadas tecnicamente hoje em dia que você precisa dos técnicos estarem lá pra colocá-los on line”
Komatsu 901

Elliot Henderson, Reino Unido

"O seu Komatsu trabalhará as horas"

Elliot Henderson de Selkirk, na região na fronteira escocesa, comprou o primeiro harvester Komatsu 951 no Reino Unido. A máquina nova foi equipada com esteiras no bogie e também esterias nas rodas individuais. Também foi equipado com a opção mais larga de rodas e pneus, o novo pneu traseiro 750, o primeiro para o 951, proporcionando flutuação adicional bem vinda no terreno turfoso. Este 951 é a mais recente adição em uma frota de 40 máquinas, a maioria das quais são vermelhas. A máquina substituiu um 941.1 2009 com cabeçote 370.2 que era um dos diversos 941 na frota. O fato é que Elliot poderia ser considerado um perito neles, ele possui 10 do modelo 941 desde que ele recebeu o seu primeiro em 2003. A experiência que ele tem com os 941s dá-lhe confiança de ter feito um bom investimento. “Cuide do mecanismo de giro e lubrifique-o regularmente e o seu harvester Komatsu trabalhará as horas”, comentou Elliot.

Mika Vekkeli

Mika Vekkeli, Finlândia

"Eu só tenho elogios para este cabeçote"

Mika Vekkeli dirige a companhia de máquinas florestais Metsä-Veke Oy em Kuortt, localizada cerca de 195 quilômetros a nordeste de Helsinki, no sul da Finlândia. O principal cliente de Mika é uma empresa de gestão florestal com parcelas de clientes em todo o sul da Finlândia. Isso significa que seu harvester 911.5 e o cabeçote C93 têm que lidar com tudo, desde desbaste inicial até corte final. O tamanho das árvores varia muito, desde muito pequeno até 0,7 m³. “Eu só tenho elogios para este cabeçote. Eu acho que a unidade de serra é muito rápida, o grande ângulo de inclinação torna o trabalho mais fácil, e o novo posicionamento do chassi dos rolos realmente ajuda a alimentar as árvores tortas. Alguns dos números de produção têm sido surpreendentemente altos”, diz Mika.

Christer Abrahamsson, Suécia

"Extremamente estável"

Assista ao vídeo com Christer Abrahamsson, Kantsjö Skogstjänst, Trehörningsjö, Suécia
Ingvild Skeie

Ingvild Skeie, Noruega

"Meu dia de trabalho é de primeira classe"

Como aprendiz, Ingvild Skeie estava muito interessada em uma máquina 840.3. Agora, ela opera todos os dias um novo Komatsu 855.1 para Holmgren AS  na florestas norueguesas de Romerike. “Eu tenho agora um novo forwarder Komatsu 855.1, que é exatamente o que eu queria. Eu fui boa em dizer aos meus colegas o quão boa a minha velha máquina era”, diz ela. Ingvild sente-se em casa nessa profissão dominada por homens e não arrependeu-se um único dia da sua decisão de entrar na industria florestal e de sua carreira como operadora de máquinas. “Tradicionalmente, minha família tem laços fortes com as profissões florestais, então a escolha foi fácil para mim. Gosta da variação ao operar um forwarder. O 8551.1 é o tamanho perfeito para várias aplicações diferentes, e extremamente estável e navega e segue o terreno muito bem. Meu dia de trabalho já era confortável antes, mas com o novo 855.1, agora é de primeira classe”, diz Ingvild.

Franck Tindiller

Franck Tindiller , SAS Chaleix et fils, França

"Nunca mais uma máquina sem Comfort Ride"

SAS Chaleix et fils é um negócio familiar francês baseado em Limousin, região central da França. A colheita ocorre em uma área que vai de Limousin até as regiões de Orléans e Bourges. Castanheiras representam cerca de metade do povoamento. Franck Tindiller opera um Komatsu 855.1 e tem vasta experiência em várias marcas de harvesters. Ele foi o primeiro na França a testar o sistema de suspensão de cabine Komatsu Comfort Ride quando começou a usar o novo forwarder em setembro de 2014 e após alguns poucos meses ele já é um convertido. “ Eu nunca mais vou usar uma máquina sem o Komatsu Comfort Ride”, diz ele. Ele costumava sofrer de problemas nas costas, tendo que as vezes tirar licença médica. “Desde que comecei a operar o Komatsu 855.1 com Comfort Ride, não tive mais problemas com as minhas costas”, diz ele.
Mika Vekkeli e Daniel Volden

Ove Nygård, Noruega

"Eu estou impressionado"

O empreiteiro de máquina florestal Ove Nygård mudou a cor de sua máquina e tronou-se o primeiro proprietário de um novo Komatsu 901 na Noruega. Sua escolha de máquina tornou-se rapidamente uma vantagem de diversas maneiras. “Depois de testar o Komatsu 931, que tem as mesmas soluções técnicas e a mesma cabine do 901, eu decidi trocar de máquina. Eu esperava ver melhorias, mas as coisas aconteceram mais rapidamente que o esperado e estou impressionado com o que o meu Komatsu 901 pode conseguir na floresta”, diz Ove. Os três grupos de colheita da empresa produzem cerca de 120.000 metros cúbicos por ano. A maioria deles desbaste, sendo o Komatsu 901 a escolha preferida. Daniel Volden opera a nova máquina. Ele está muito satisfeito que o seu patrão mudou para Komatsu e destaca a boa visibilidade em todas as direções, o ambiente da cabine, e a resposta rápida da grua. “O novo sistema hidráulico com três bombas e o aumento do fluxo de óleo mostra o que ele pode fazer”, ele diz.
Risto Kangassalo

Risto Kangassalo, Finlândia

"O C144 trabalha suavemente"

“Se eu tivesse que descreveu o C144 com uma palavra, seria suave. O C144 trabalha suavemente, de forma confiável e sem problemas. Também desgalha árvores difíceis, até mesmo bétula. Corta rápido, segura a árvore bem a a derruba suavemente”.

Haakon and Knut Slätten

Haakon e Knut Slätten, Noruega

"15 porcento de redução no consumo de combust\ivel"

Haakon Slätten e seu filho Knut são empreiteiros independentes trabalhando com corte final. Depois de visitarem a fábrica da Komatsu Forest AB em Umeå, Suécia em 2014, ambos decidiram rapidamente comprar um novo harvester, um Komatsu 952 e um Komatsu 931. Apenas duas semanas trabalhando com os novos harvesters foram suficientes para concluirem que as promessas de mais potência, produção aumentada, mobilidade melhorada e redução de consumo de combustível eram verdadeiras. Haakon Slätten está impressionado de qual ágil, rápido e cômodo o novo Komatsu 951 é de trabalhar, mesmo em baixas rotações do motor. “Eu muitas vezes trabalho em terrenos difíceis e inclinados, com grandes pedras espalhadas. A máquina cobre tal terreno com facilidade e agilmente. O bogie balanceado a largas rodas traseiras encaram o desafio melhor que nunca. Eu posso operar a grua e o cabeçote ao mesmo tempo sem comprometimento” ele explica. Ambos, Haakon e Knut, dizem que rapidamente observaram uma redução de 15 porcento no consumo de combustível comparando com o 941 e com o 911.5 que usavam anteriormente.

Aurélie e Thibault Delesalle

Sylvasphere, França

"Eficiência superior a 90%"

A empresa francesa Sylvasphère foi fundada em fevereiro de 2012, após Aurélie and Thibault Delesalle adquirirem a empresa James Desaivres, um negócio bem conhecido em Tarn. Quando eles compraram um Komatsu 931 com cabeçote C144, eles decidiram imediatamente completar a máquina com o recurso MaxiFleet. “Com MaxiFleet podemos resolver o menor problema imediatamente, o que significa que depois de que depois de pouco mais de 3.000 horas de motor nos conseguimos uma eficiência superior a 90 porcento. Os custo de produção são também analisados diariamente e medidas corretivas podem ser tomadas em tempo real”, diz Thibault. O faturamento será integrado diretamente com a produção da máquina, o que liberá tempo para outras tarefas. O planejamento do local de trabalho com a ajuda de uma unidade de GPS portátil com o sistema Maxi N da máquina permitirá que os operadores concentrem mais na produção do que era possível anteriormente.